Volume 53 Número 82 - 2002


SUMÁRIO

Regeneração de um trecho de floresta de restinga na Reserva Ecológica Estadual de Jacarepiá, Saquarema,
Estado do Rio de Janeiro: II - Estrato arbustivo

Cyl Farney Catarino de Sá

Colecções botânicas do Brasil em espaços verdes notáveis de Lisboa
Maria Lisete Caixinhas & Maria Cândida Liberato

Ação antrópica e resultantes sobre a estrutura e composição da Mata Atlântica na Ilha Grande, RJ
Rogério Ribeiro de Oliveira

Lauraceae Jussieu na Reserva Ecológica de Macaé de Cima, Município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil
Alexandre Quinet & Regina Helena Potsch Andreata

Pachira aquatica (Bombacaceae) na obra“História dos Animais e Árvores do Maranhão” de Frei Cristóvão de Lisboa
Ariane Luna Peixoto & Alexandra Escudeiro

Aportes al conocimiento de la riqueza florística para la gestión ambiental de la Sierra de Najasa, Camagüey, Cuba
Adelaida Barreto Valdés, Everardo Pérez Carreras, Grisel Reyes Artiles, Néstor Enríquez Salgueiro, Josefa Primelles Fariñas & Erick Sedeño Bueno

 

 

 


Regeneração de um trecho de floresta de restinga na Reserva Ecológica Estadual de Jacarepiá, Saquarema,
Estado do Rio de Janeiro: II - Estrato arbustivo

Cyl Farney Catarino de Sá

RESUMO

O estrato arbustivo representa o estágio mais adiantado da regeneração da floresta de restinga da Reserva Ecológica Estadual de Jacarepiá, impactada em 25% da área total em 1986. As espécies Trema micrantha e Aegiphila sellowiana são as pioneiras mais abundantes. O método de parcelas,
embora moroso, foi eficiente, pois permite o companhamento da regeneração. As trepadeiras, no momento não estão relacionadas à reversão da regeneração. Espécies arbóreas que ocorrem na floresta não perturbada parecem ser favorecidas com perturbação; outras são desfavorecidas e
outras são capazes de rebrotar. De 110 táxons encontrados, somente 21 são comuns a outros estudos realizados no Brasil em áreas perturbadas de restinga e mata atlântica.

Palavras-chave: regeneração natural, corte raso, rebrota, florística, estrutura

ABSTRACT

Shrub strata represents the most advantaged regeneration stage of restinga forest in the Jacarepia State Ecological Reserve, Rio de Janeiro, which is 25% impacted of the total forest area in 1986. The pioneers Trema micrantha and Aegiphila sellowiana are the most abundant. Although slow the quadrat method was efficient and allowed monitoring forest regeneration. At present, lianas are not interfering
in the regeneration process. The tree species in the primary forest seem to gain with forest disturbance, some are not affected and others are able to re-grow. Within 110 species found in the study area only twenty-one were recorded in similar studies of Brazilian disturbed areas.

Keywords: Sandy Coastal Plain, Regeneration, logging, regrowth, forest structure

Obtenha o PDF deste artigo


Colecções botânicas do Brasil em espaços verdes notáveis de Lisboa

Maria Lisete Caixinhas
Maria Cândida Liberato

RESUMO

Em Portugal nos meados do século XVIII viveu-se o movimento iluminista, tornando-se perceptível a necessidade do conhecimento dos recursos naturais que o país possuía. Somente em meados do século XIX voltou-se a dar atenção aos estudos botânicos, a fundarem-se espaços verdes e a incrementar os já existentes, onde se começaram a reunir colecções de plantas com fins científicos e didácticos. O Jardim Botânico de Lisboa foi fundado em 1873, tendo vindo a ser enriquecido com grande número de espécies taxonomicamente importantes. O Jardim-Museu Agrícola Tropical, criado em 1906, foi instalado em 1914 no local onde hoje se encontra, tendo sido promovida a introdução de plantas económicas e exóticas. A Estufa Fria de Lisboa teve o seu início em 1912; nela incluem-se numerosas espécies oriundas de diversas regiões do mundo. Após diversos estudos botânicos já efectuados pelas autoras nos locais citados, foram agora seleccionadas as espécies originárias do Brasil, assim como as suas principais utilizações e ocorrência nos locais estudados, os quais se revelam possuidores de valiosas colecções de espécies vegetais brasileiras. Estes locais têm um papel importante na investigação botânica, bem como grande interesse didáctico, educacional e ambiental.

Palavras-chave: Flora Brasil, jardins botânicos, colecções botânicas, Lisboa

ABSTRACT

The Portuguese Enlightenment happened in the middle of XVIIIth Century. So was perceived the importance of the knowledge of the existing natural resources of the country. Only by the middle of XIXth Century attention was given again to the botanic studies. New green areas were founded and developed the existing ones, where collections of plants became to be organized for scientific and didactic purposes. The Jardim Botânico de Lisboa was founded in 1873, being enriched with species of taxonomic importance. The Jardim-Museu Agrícola Tropical, founded in 1906, was instaled in 1914 in the place where it still exists, being promoted the introduction of economic and exotic plants. The Estufa Fria de Lisboa had its begining in 1912, comprising a large number of species of various parts of the world. After several taxonomic studies made by the authors, in the mentioned sites, the Brazilian species were selected, showing their uses by man and distribution on the green spaces studied, which have Brazilian collections of vegetal species of great value. These places play an important role to the botanic research, as well as to didactic, educational and environemental promotion.

Keywords: Flora Brazil, botanic gardens, botanic collections, Lisboa

Obtenha o PDF deste artigo


Ação antrópica e resultantes sobre a estrutura e composição da Mata Atlântica na Ilha Grande, RJ

Rogério Ribeiro de Oliveira

RESUMO

A Floresta Ombrófila Densa na Ilha Grande (RJ) é constituída por um mosaico de florestas secundárias de diferentes idades. Foram estudados trechos de florestas utilizados anteriormente para cultivos de subsistência de populações caiçaras a 5, 25 e 50 anos. Para comparação, utilizou-se um trato de floresta primária. Nas áreas estudadas foi encontrado um total de 26 espécies na área de 5 anos, 70 na de 25 anos, 63 na de 50 anos e 134 na climáxica e a área basal foi de 5,6; 26,3; 32,4 e 57,9 m2/ha, respectivamente.
A distribuição das espécies pelos grupos ecológicos permitiu a separação em 3 situações: a) com dominância de pioneiras (a área de 5 anos); b) com dominância das secundárias iniciais e tardias (as áreas de 25 e 50 anos) e c) com dominância das espécies climáxicas (a área climáxica). Os valores dos índices de Shannon foram de 2,51; 3,33; 3,10 e 4,28 nats/ind., para as mesmas. A participação das 10 espécies com maior Valor de Importância na densidade, freqüência e dominância tende a reduzir no sentido 5 anos-clímax. Em função da lenta evolução das variáveis estruturais nas áreas de 25 e 50 anos, estas foram classificadas como de clímax antrópico.

Palavras-chave: Mata Atlântica, Ilha Grande, caiçaras, fitossociologia.

ABSTRACT

The Atlantic Rain Forest at Ilha Grande is constituted by a mosaic of different aged forests. I examined a successional gradient of 5-yr, 25-yr and 50-yr-old slope forests, growing in areas once used for subsistence agriculture by the caiçara people in what is today the Praia do Sul State Biological Reserve on Ilha Grande, Rio de Janeiro state. These areas were compared to a near-climax forest tract located in Ilha Grande State Park. There were 26 species in the 5-yr-old forest and a total basal area of 5.6 m2/ha; the 25-yr and 50-yr-old forests and the climax forest had 70 species, 26.3 m2/ha; 63 species, 32.4 m2/ha; and 134 species, 57.9 m2/ha, respectively. Species percentage distribution in ecological groups showed three distinct scenarios: a) dominance of pioneers (5-yr forest); b) dominance of early
and late secondary species (25-yr and 50-yr-old forests); and c) dominance of climax species (climax forest). Shannon’s Diversity Index for the four areas was 2.51, 3.33, 3.10 and 4.28 nats/ind. The 10 top species according to Importance Value decreased in percentage of total density, frequency and dominance from the 5-yr to the climax forest. The 25-yr and 50-yr-old forests were classified as manmade climax forests because the patterns studied evolved slowly.

Keywords: Atlantic Rain Forest, Ilha Grande, caiçaras, phytosociology, ecological succession.

Obtenha o PDF deste artigo


Lauraceae Jussieu na Reserva Ecológica de Macaé de Cima, Município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil

Alexandre Quinet
Regina Helena Potsch Andreata

RESUMO

Este trabalho apresenta o estudo taxonômico das espécies de Lauraceae na Reserva Ecológica de Macaé de Cima, localizada no Município de Nova Friburgo, no estado do Rio de Janeiro, Brasil. A vegetação da Reserva é do tipo Floresta Pluvial Atlântica Montana com altitudes entre 880 a 1.720 m. Com base nas coleções botânicas depositadas em vários herbários, especialmente nas do Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, e em trabalho de campo, foram reconhecidas para a região 32 espécies subordinadas a nove gêneros: Aniba (1 sp.), Beilschmiedia (2 spp.), Cinnamomum (2 spp.), Cryptocarya (2 spp.), Endlicheria (1sp.), Nectandra (3 spp.), Ocotea (18 spp.), Persea (2 spp.) e Rhodostemonodaphne (1 sp.). O tratamento da família compreende descrições morfológicas das espécies, comentários e ilustrações.
São fornecidos, também, dados sobre a distribuição geográfica, habitat, época de floração e frutificação, utilidade, além de uma chave analítica para a identificação dos gêneros e espécies ocorrentes na área. Revalidaram-se os binômios Ocotea domatiata Mez, O. pulchra Vattimo-Gil e
O. teleiandra (Meisn.) Mez. Ampliou-se a distribuição geográfica conhecida de Cinnamomum glaziovii (Mez) Kosterm. e Ocotea urbaniana Mez. Descreveu-se pela primeira vez o fruto de O. domatiata Mez e de Cinnamomum glaziovii (Mez) Kosterm.

Palavras chave: Lauraceae, Taxonomia, Morfologia, Mata Atlântica, Rio de Janeiro

ABSTRACT

This paper presents the taxonomic study of the Lauraceae species from the Reserva Ecológica de Macaé de Cima, located in the municipality of Nova Friburgo, Rio de Janeiro State, Brazil. The vegetation of the Reserve is classified as Montane Atlantic Rain Forest type with altitudes ranging
from 880 to 1720 m a.s.l. Supported by botanical collections deposited in several herbaria, particularly those of the Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 32 species and nine genera were recognized: Aniba (1 sp.), Beilschmiedia (2 spp.), Cinnamomum (2 spp), Cryptocarya
(2 spp.), Endlicheria (1 sp.), Nectandra (3 spp.), Ocotea (18 spp.), Persea (2 spp.), Rhodostemonodaphne (1 sp.). The treatment of the family includes species morphologic description, comments and illustration. Survey also included the gathering of data on species geographical distribution, habitat, flowering and fruitification seasons, uses, as well as an analytical key for genera and species identification in the area. The binomial Ocotea domatiata Mez, O. pulchra Vattimo-Gil and O. teleiandra (Meisn.) Mez were confirmed to be valid. The known geographical distribution of Cinnamomum glaziovii (Mez) Kosterm. and Ocotea urbaniana Mez has been extended. The fruit of O. domatiata Mez and Cinnamomum glaziovii (Mez) Kosterm. was described for the first time.

Keywords: Lauraceae, Taxonomy, Morphology, Mata Atlântica, Rio de Janeiro

Obtenha o PDF deste artigo


Pachira aquatica (Bombacaceae) na obra“História dos Animais e Árvores do Maranhão” de Frei Cristóvão de Lisboa

Ariane Luna Peixoto
Alexandra Escudeiro

RESUMO

Pachira aquatica (Bombacaceae) na obra “História dos Animais e Árvores do Maranhão” de Frei Cristóvão de Lisboa - Muitos desenhos, relatos e outros documentos escritos pelos europeus nos primeiros séculos após o descobrimento do Brasil continuam até hoje inéditos. Chegaram a Portugal ou ao “Reino Unido”, foram vistos ou relatados junto à Coroa ou em Academias e depois arquivados ou passaram às mãos de alfarrabistas quando estes adquiriram espólios. Alguns destes documentos foram publicados, no todo ou em parte, muitos anos após sua realização. A História dos Animais e Árvores do Maranhão, de Frei Cristóvão de Lisboa, escrita, resumivelmente, entre 1624 e 1627, foi impressa apenas em 1967. Frei Cristóvão soube, durante seu trabalho de evangelização, captar e valorizar informações sobre os habitantes e a natureza maranhenses, cujos limites geográficos eram muito mais amplos que os atuais. O presente trabalho dá a identificação botânica de uma espécie arbórea (Pachira aquatica Aubl., chamada ibomguiva, ibonguiaba) descrita e debuxada na obra, e procura ressaltar detalhes do desenho e a acuidade da caracterização descritiva e dos comentários feitos pelo franciscano português. A interpretação sonora e a transcrição do nome pelo qual era conhecida a espécie pelos habitantes locais, bem como a citação do modo de tratar e usar como alimento as suas sementes, como feitos por Frei Cristóvão, trazem à tona uma pequena fração do saber sobre a natureza que as populações autóctones detinham antes da chegada dos europeus ao território brasileiro e de como este conhecimento pode ser captado e valorizado.

Palavras-chave – História da botânica, Frei Cristóvão de Lisboa, flora do Maranhão, Ibomguiva

ABSTRACT

Pachira aquatica (Bombacaceae) on priest Cristóvão de Lisboa work “História dos Animais e Árvores do Maranhão” - Many drawings, notes and other documents written by Europeans on the first centuries after Brazil discovery remain unpublished. These documents arrived in Portugal or in the “United Kingdom”, were presented to Noblemen or in academies of science and afterwards were filed or became property of second hand booksellers when they bought other family properties. Some of these documents were published, entirely or partially, many years after their writing. História dos Animais e Árvores do Maranhão, by priest Cristóvão de Lisboa, probably written between 1624 and 1627 was printed only in 1967. Frei Cristóvão was able to analyze and gather information on the nature and the inhabitants of Maranhão, whose geographic limits were much larger than at present time, while working to evangelize its people. This paper gives the botanical identification of an arboreal species (Pachira aquatica Aubl., called ibomguiva, ibonguiaba), described and drawn on his work, and points out the painting originality of and the acuity of the description and comments made by the priest. The sound interpretation and transcription of the species name, as well as the description of seeds preparation as food, gives a glance of the knowledge about nature the indigenous people had before the arrival of European culture.

Obtenha o PDF deste artigo


Aportes al conocimiento de la riqueza florística para la gestión ambiental de la Sierra de Najasa, Camagüey, Cuba

Adelaida Barreto Valdés
Everardo Pérez Carreras
Grisel Reyes Artiles
Néstor Enríquez Salgueiro
Josefa Primelles Fariñas
Erick Sedeño Bueno

RESUMEN

Se relacionan los aspectos más interesantes del recurso florístico de la elevación conocida como Sierra de Najasa en el municipio de Najasa, provincia Camagüey, Cuba. La riqueza total es de 132 géneros y 167 especies pertenecientes a 64 familias botánicas, lo que representa el 2.5% de las plantas vasculares cubanas en el área estudiada. El mapa de vegetación confeccionado muestra las formaciones vegetales y las estaciones de muestreo. El número más alto de especies se encuentra en las estaciones 6, 8 y 11 caracterizadas por dos variantes del bosque semideciduo. Los endémicos cubanos colectados representan el 8.6% respecto al total de especies muestreadas en el área y la estación 7 posee la mayor riqueza de endemismos. La relación florística más estrecha es con la flora neotropical (32.8%), aunque el 22.5% de las especies son afines a la caribeana y el 12.2% a la antillana. El 76.3% de las especies tienen potencialidades como recurso natural aprovechable por el hombre con propósitos diferentes.

Palabras Claves: Plantas vasculares, Sierra de Najasa, Cuba

ABSTRACT

The more interesting aspects of floristic resources of the Sierra de Najasa, Najasa municipality, Camagüey, Cuba are expressed. The total richness is 132 genera and 167 species in 64 families; this represents 2.5% of Cuban vascular plants in the area. The vegetation map shows the plant communities and the sampling sites. The highest number of species is found in the sites 6, 8 and 11, which are characterized by two kinds of semideciduous forest. Cuban endemics, that were colected, represents the 8.6% of the area flora and the site 7 showed the higher number of endemics. The principal floristic relationship is with the Neotropical flora (32.8%), although 22.5% of species are
common to the Caribbean flora and 12.2% to the Antillean flora. 76.3% of the species have potentialities as a natural resource that could be used by man for different purposes.

Keywords: Vascular plants, Sierra de Najasa, Cuba

Obtenha o PDF deste artigo